May 7th, 2005

rosas

kingdom of heaven

Kingdom of Heaven é o mais recente épico made by Riddley Scott, e, francamente, ainda consegue ser pior do que o The Gladiator. Scott parece ter descoberto um modo de fazer este tipo de cinema de aventuras e agora explora o filão. Com resultados bastante desoladores, na minha opinião. O filme é uma espécie de ‘e agora vamos para a Idade Média’, utilizando o universo das cruzadas, e o cerco de Saladino a Jerusalém, como desculpa para o filme. O problema é que é tudo demasiado previsível, desde a história à própria maneira de filmar (sempre a câmara lenta, sempre muita poeira pelo ar, sempre o close up das batalhas, sempre o look ‘brutal chic’, sempre o ar sumptuoso de que ‘isto’ é uma superprodução de luxo). Aparentemente, Scott ter-se-á enredado na grandiosidade dos meios de produção e deixado de controlar a produção. Talvez tenha sido isso, não sei, mas a verdade é que o filme nem por um momento convence e fascina. Para essa falta de entusiasmo muito contribui o Orlando Bloom no papel do protagonista e que passeia a sua personagem com a convicção e a psicologia de quem posa para a capa de uma revista de adolescentes. Estes tipos girinhos já deviam ter todos aprendido com o Johnny Depp que não é a beleza que faz o actor, mas o actor que faz a beleza. Safa-se o Liam Neeson e o Jeremy Irons, claro, mas a este basta-lhe levantar um pouco o sobrolho para acreditarmos logo em tudo o que ele diz.