January 8th, 2005

rosas

rem

Grande concerto dos REM, ontem, no Pavilhão Atlântico, a inaugurar o segmento europeu do tour para 2005, de apoio aodisco 'Around The Sun'. E, espermos, a prognosticar o ano de concertos... Pessoalmente, gostei mais deste concerto do que do de 1999, apesar de reconhecer que, de certa forma, este concerto era 'mais fácil', aparentemente porque os REM precisam de um tour que capitalize entusiasmos que ajudem a contornar o pouco sucesso do último disco.
Mas os REM pareceram-me em grande forma, e o Michael Stipe, São Michael para os amigos, a dominar com um carisma excepcional. O concerto teve o condão de ser um grande espectáculo de produção, mas sem nunca deixar de ser aquilo que fundamentalmente nos leva ali: um concerto de uma banda rock. E o São Michael possui em doses generosas o talento de saber portar-se como uma estrela, controlando e apanhando o momento que sempre constitui este tipo de eventos de massas, mas sem nunca deixar de apresentar uma honestidade artística, fruto, claro, da sua grande experiência do fenómeno rock e de uma inteligência muito lúcida.
Destaque para a primeira parte com o Joseph Arthur, que eu não conhecia e de que gostei muito. Quer o JA quer os REM provam que o rock pode ser vivido e tocado de forma subtil e inteligente, mesmo quando as guitarras estão a distorcer. Ou seja, distorção e subtileza podem ser os termos da mesma equação de sucesso.

edit: a melhor notícia sobre o concerto, está, como seria de esperar, aqui, onde, entre outras coisas, se pode ficar a conhecer o alinhamento das canções.