September 2nd, 2004

rosas

são josé

SÃO JOSÉ

Por quem tocam os sinos na véspera do teu dia?
Por quem dobram a finados?
Quem deixou de cruzar as ruas vestindo o fato domingueiro?
Quem deixou de meter a mão ao bolso fazendo tilintar as moedas?
Por quem parou o trânsito para o féretro passar?

Desces a rua. O ruído dos teus passos.
Quando vais a passar ao lado da igreja, os sinos começam a tocar.
Meia-noite.
Por quem dobram os sinos na véspera do teu dia?
rosas

chateado por a situação

Não quero revelar leviandade ou falta de sensibilidade para um problema que afecta milhares de portugueses, e particularmente alguns queridíssimos amigos aqui do livejournal. Mas há pouco no telejornal, passou uma reportagem sobre as broncas do concurso de colocação de professores e entrevistaram algumas das pessoas que ficaram excluídas e que estavam no sindicato a preparar as impugnações ou reclamações. Uma das entrevistadas contou que ficou muitos milhares de lugares atrás de uma colega, de quem até este concurso ficava à frente. E que por causa dela, a entrevistada, costumar ficar à frente da colega, «ela até ficou chateada por a situação»!
A minha reacção imediata foi a de pensar que ainda bem que aquela professora tinha ficado excluída do concurso. Chocou-me o facto de uma professora, mesmo num momento de tensão e desânimo, mas que ainda por cima estava indignada por ter sido excluída, não conseguir falar sem recorrer ao calão e sem 'cometer' erros de gramática.
Mas isto anda tudo ligado e sem dúvida que relacionado com o drama anual da colocação dos professores, que este ano raiou o escândalo, está a degradação e a falência do sistema de ensino, e que uma das causas, entre muitas outras, dessa degradação será a falta de preparação (eu ia escrever 'de educação') e de qualidade dos professores. Não de todos, como é óbvio, não da maioria, esperamos, eventualmente até de uma pequena minoria de profissionais. Mas esta professora que não se sabe expressar em português deveria ficar de fora do concurso, não pelas vicissitudes injustas de um concurso atabalhoado, mas em resultado de um qualquer sistema de avaliação dos professores que penalizasse seriamente aqueles que não se sabem exprimir na língua em que ensinam.