August 2nd, 2004

rosas

ele encontra a dulce?

Era esta a pergunta que se fazia num dos foruns do orkut dedicado ao escritor Caio Fernando de Abreu. A questão, naturalmente, era saber se o narrador de 'Onde Andará Dulce Veiga?' encontra a personagem de Dulce Veiga. A resposta que eu dei à pergunta foi mais ou menos a que se segue.

Acabei de ler ‘Dulce Veiga’ há poucos dias e acho que, juntamente com os ‘Dragões’, é o meu livro preferido de todos os que li até agora do Caio.
Curiosa esta questão. Também não me tinha interrogado sobre ela quando li o livro. Mas para falar verdade, eu acho que a questão não é assim muito importante. O registo de CFA é muito pouco realista, por isso, na minha opinião, não faz grande sentido saber se aquilo que é narrado é ‘real’ ou não. Aliás, se lido num registo muito naturalista, este livro tem muitas pontas soltas. Atenção, que isso não é defeito, pois não se trata de um romance tipo ‘color by numbers’ em que os eventos se sucedem de forma lógica e cronológica. Pelo contrário, este livro, como a maior parte das obras de Caio que eu conheço, é um romance de deriva, de percurso interior, de devaneio e contemplação, de busca e questionamento. Na realidade, o narrador está procurando não tanto a personagem DV, mas muito mais o seu próprio sentido da existência. Ao invés de um puzzle, em que as peças encaixam todas para formar um desenho perfeito, o narrador de Caio tem em mãos peças diferentes de diferentes formas, tamanhos e proveniências, e o que ele procura fazer é tentar perceber de que caixas, a que desenhos, pertencerão essas peças baralhadas.
Na minha opinião, o narrador encontrou sim Dulce Veiga. Não sei se terá sido ‘a’ DV, cantora desaparecida há 20 anos atrás, ou se terá sido apenas a ‘sua’ DV. Mas a verdade é que ele conseguiu resolver a sua busca, o seu drama teve uma saída. Encontrou, em suma, a sua redenção.