July 22nd, 2004

rosas

novas à sombra

Houve mudanças à sombra dos palmares. Tem um novo aspecto e tem comentários. Qualquer dia é um blog a sério, daqueles que falam de política, contam coisas que mais ninguém sabe, sempre com um ar muito sabedor e entendido, e participam em polémicas incendiadas e gratuitas. Mas enquanto isso não acontece, tudo o que há lá para ler é a forma maravilhada e maravilhosa como a escritora Isabella Oliveira relata o nascimento de uma nação.

Agradeço a quem comentou a entrada anterior, garantindo que compraria livros. Por razões de pudor, essa entrada vai descansar para um sítio mais reservado. Mas está tudo registado e aqueles que disseram 'sim' não terão forma de escapar ao duro castigo.
rosas

forma de assim

A Assírio editou 'Uma Coisa em Forma de Assim', cento e tal crónicas de Alexandre O'Neill, que valem por uma monumental enciclopédia de vida, de poesia, de literatura. O'Neill foi um dos grandes poetas do Século XX português (sim, não apenas do século literário), foi igualmente um cronista extraordinário. Os seus textos, não raro invadidos por um surrealismo desarmante, captam, com adivinhado humor e em palavras breves, o essencial do vento. Ou, com a mesma capacidade de síntese e uma sábia sem-cerimónia, retratam a corpo inteiro alguns dos escritores maiores que O'Neill admirava e pregava nos jornais onde escrevia.
Este livro é obrigatório. Nas escolas, cursos noturnos incluídos, e, de forma geral, na escola da vida. E é, além de tudo, muito divertido. Muitíssimo, mesmo.

Ah, este livro inclui a verdadeira e única história do poema 'Um Adeus Português', que é um dos poemas mais admiráveis jamais escritos onde quer que seja e seja em que língua for. A história é conhecida, naturalmente, mas contada pelo punho do autor é simultaneamente mais bela, mais profunda, mais terrível, mais arrebatadora, mais comovente, e até mais prosaica. Como se isso fosse possível. E é.