?

Log in

No account? Create an account

both hands waving
rosas
innersmile
"Mozambique is different. It's lighter, less regimented, more chaotic, more passionate, more romantic (the climate helps), more plural. It has better rhythm. I suppose wht I'm trying to say is that the Portuguese are temperamentally more african than the British."

Esta passagem é de um livro cuja leitura terminei hoje, WITH BOTH HANDS WAVING, de Justin Fox, que mandei vir da Amazon.co.uk, e que relata uma viagem de carro feita por um grupo de jornalistas, através de Moçambique e ao serviço de uma revista de viagens sul-africana.
O trecho citado refere-se às principais características de Moçambique no contexto da região da África Austral, por oposição a uma certa rigidez e conservadorismo dos países vizinhos, relacionando essas diferenças com as caracteristícas dos povos colonizadores: os portugueses no caso de Moçambique, claro, os britânicos no caso de todos os seus vizinhos.
O livro não está isento de algumas falhas: por vezes, parece-me que alguns relatos históricos apoiam-se mais em 'estórias' do que propriamente em factos, em parte por causa daquele preceito (de quem? do Mark Twain? de um filme?) de que quando a lenda é melhor do que os factos, imprima-se a lenda!, mas também, pareceu-me, porque por vezes era necessário apaziguar um certo desconforto de consciência. Por exemplo, uma história ligada à utilização de raparigas na construção da catedral de Lourenço Marques pareceu-me muito pouco provável; os meus pais disseram-me que não era verdade, mas confirmaram que as rusgas levavam para a prisão todas as raparigas que andassem na rua sem identificação, por prostituição. Seja como for, uma das coisas interessantes do livro é que mistura o relato da viagem, e a descrição do país e das paisagens, com informações sobre a história, recente e antiga, de Moçambique.
É um livro interessante, divertido, aventureiro e bem escrito, que nos permite acompanhar pari passu as aventuras e desventuras que implicam atravessar por estrada, de Sul a Norte, um país que estava, à data em que o livro foi escrito, recém saído de uma guerra civil destruidora, e à borda da ruptura total no que se referia a infra-estruturas e organização.
Justin Fox e os seus colegas de viagem (dos quais uma rapariga e um nova-iorquino) vivem toda a espécie de percalços, acampam em condições que, mais do que difíceis, rondam por vezes o bizarro, encontram gente pouco recomendável, apanham doenças (a malária, claro, mas não só). Mas o que mais se distingue de tudo o resto neste livro, é, por um lado, a natureza quase intacta, por causa de trinta anos de guerra e de catástrofes, que impediram a exploração turística dos recursos naturais; por outro, a forma como essa natureza intacta é atravessada por uma memória histórica e monumental riquíssima, de todos os povos que habitaram e visitaram o país, nomeadamente a herança da presença longa dos portugueses; finalmente, a simpatia e a bonomia do povo, que consegue sarar feridas rapidamente e revelar um sentido de humor notavel, e a cujo hábito de acenar com as duas mãos o livro vai buscar o seu título.

Pessoalmente, o que mais gostei foi, naturalmente, dos trechos que referiam lugares e paisagens onde chega a minha memória, quer a da infância, quer principalmente a da visita recente. Gostei particularmente das páginas sobre a Ilha de Moçambique, que reavivaram as impressões da minha visita, e enriqueceram a minha memória da Ilha. Referências a sítios, a lugares, a ruas, a casas, que estão ainda vivíssimas na minha memória. Aliás, é significativo que seja a Ilha, de todas as andanças e paragens, que merece maior número de páginas do livro: o próprio lugar, por ser uma experiência de tempo e espaço fora de comum, obriga a essa demora, a essa suspensão. Na Ilha, o tempo pára, e o mundo, lá fora, detém-se quase ao ponto de deixar de respirar.
Acho que já escrevi isso por aqui, mas há uma forte impressão de que, se é verdade que voltamos da viagem enriquecidos com tudo o que vivemos e sentimos, também é verdade que regressamos dela mais pobres, porque há pedaços de nós que ficaram para sempre presos nesses lugares onde, por um segundo apenas, vivemos a feliz ilusão de que fomos totais e completos.
Tags: