?

Log in

No account? Create an account

dis & dat
rosas
innersmile
No dia 29 de Julho, a Amazon inglesa expediu-me uma encomenda com dois dvd’s: a edição comemorativa de Cabaret, do Bob Fosse, e Naked Civil Servant, a versão cinematográfica da autobiografia homónima do Quentin Crisp, com o John Hurt. Até hoje, expirados os prazos previstos de entrega, não chegou. Conferi com os Correios e tal, e mandei um mail para a Amazon, que já me enviou nova encomenda de substituição. No outro dia, mandei um cd para Lisboa, em envelope almofadado e correio azul, que demorou oito dias certos a chegar! Os Correios portugueses, que até há pouco tempo, eram rápidos e fiáveis, começam a ter o ameaçador aspecto de uma armadilha. Bem, espero a encomenda da Amazon desta vez chegue, mas começa-me a faltar a fé.

Entretanto, para me vingar, fui ontem ao Continente comprar audiovisuais! Estava-me a sentir ‘really cheap’, e comprei o dvd do The Robbie Williams Show e o Diário da Prisão, do Jeffrey Archer. Francamente, depois de uma noite que ameaçava ser longa e aborrecida, e que afinal foi salva pela cultura pop, não consigo decidir qual dos dois, o Robbie ou o Archer, me divertiu mais. É que se um é muito mais giro, o outro tem uma conversa empolgante.

Faz hoje precisamente um ano, pus no livejournal uma entrada com os meus 10 filmes preferidos. Naquela tarde, claro. É que temos sempre a noção de que somos incapazes de escolher aquilo que mais nos toca, os filmes, ou os livros, ou os discos, que nos são essenciais. E que, por isso, stas listagens são sempre muito efémeras. É por isso curiosos verificar que um ano depois, praticamente não toco na lista. Só lhe mudo o nome para 'Os Meus 11 Filmes Preferidos', para poder incluir o Once Upon A Time In America!

caos
rosas
innersmile
As imagens de verdadeiro caos que nos chegam através da CNN, de Nova Iorque e de outras cidades dos EUA e do Canadá, por causa de um corte de energia maciço (cujas origens, neste momento, não são ligadas a actividades terroristas), mostram, mais uma vez, e como se fossem precisas mais provas, como são delicados e frágeis os nossos equilíbrios civilizacionais, e como o progresso só nos leva a outro nível de problemas, quase como num jogo de computador, em que as dificuldades vão aumentando à medida que subimos de nível.