?

Log in

No account? Create an account

(no subject)
rosas
innersmile
According to our sources, o ulis faz hoje anos. Mantendo o espírito recente do lj dele, aqui vai em karaoke, directamente da minha memória, sem passar por nenhum browser e sem receber dois contos (ou 10 euros), uma interpretação carregada de abraços e votos de felicidades, de:

Naquela linda manhã
estava a brincar no jardim
a certa altura a Mamã
chamou-me e disse-me assim:
"Não andes só a correr
tropeças sem querer
se cais ficas mal".
Respondi "Pronto, está bem"
Depressa porém
esqueci-me de tal.
Não me lembro depois como foi
escorreguei, caí no chão
no joelho ficou um dói-dói
no nariz um arranhão
Desde então prometi ser melhor
Por ser mau, fui infeliz
F A Ç O A G O R A T U D O Q U A N T O A M A M Ã M E D I Z

sortido fino
rosas
innersmile
Que falta de hábito para estas semanas intermináveis. Já estava acostumado a semanas de 3 ou 4 dias, e esta, enorme, demorou a passar. Mas o sol veio, e isso é já motivo para contentamento.

No fim de semana passado, comprei o meu primeiro filme de Bollywood. Chama-se Lagaan: Once Upon a Time in India e é uma fantasia histórica que explora o velho mito de que o cricket é um jogo inglês inventado pelos indianos. É uma coisa enorme, com perto de 4 horas, com uma das maiores estrelas do cinema indiano, o Aamir Khan, que também produziu, e com música de A. R. Rahman, que é um tipo jovem, mas que é um dos nomes incontornáveis da música indiana: para além de autor de bandas sonoras, é um dos co-autores da música de Bombay Dreams, o 'Bollywood musical' que está nos palcos de Londres, produção do Lloyd Webber, claro, e de quem eu já tinha um cd em casa, Rahmania, só com música dele e interpretada pela Bollywood Brass Band! Bom, do filme não se pode dizer, com todo o rigor, que seja um bom filme! É, claro, um óptimo espécimen do cinema made in Bombay, sabendo-se que o cinema indiano, nomeadamente este, mais popular e comercial, não cai no goto de toda a gente. Eu gosto, acho muito divertido, but that is because I have a flair for all things indian (a começar pelo caril!)

Com o episódio Fátima Felgueiras (o corrector do Winword aconselha-me a alterar para Melgueiras!!!), o estado de direito português consolidou o seu actual momento de 'casa de palha dos três porquinhos'. Pois o tribunal decidiu que a senhora devia recolher a prisão preventiva. A senhora teve tempo de ir ao cabeleireiro, e retirar-se calmamente para o Brasil (que, suponho eu, deva ser um sítio particularmente agradável para foragidos à justiça, mas, caramba!, já vai sendo tempo de pedirmos desculpa aos nossos amigos brasileiros, e eu aproveito para o fazer juntos dos nossos amigos do Lj por terem sempre de ficar com os nossos resíduos sólidos perigosos), enquanto todos esperávamos, em frente ao televisor, que ela se entregasse. Três dias depois, preocupados se lhe teria acontecido alguma coisa de desagradável, lá a foram procurar a casa. Que não estava!, tinha ido para o estrangeiro. Pois! A minha dúvida é se terão tido a delicadeza de a levar ao aeroporto!?!

Mas a política, e as jogatanas do poder, são uma coisa diabólica, mas muito irresistível. Mesmo agora que se joga numa liga que não é a minha, e com equipas que eu não apoio, não resisti a passar a noite de ontem a conspirar. De tal modo excitante que fiquei sem sono. O que, por seu lado, me deu a ocasião adequada para pensar que perdi mais uma bela oportunidade de ficar sossegadito no meu canto! Mas a causa é tão boa e a possibilidade de molhar a sopa foi tão oportuna que teria sido uma pena não aproveitar...
Tags: