April 11th, 2003

rosas

os lunáticos tomaram conta do asilo

Voando Sobre Um Ninho de Cucos.
Bem, desde os tempos dos Funboy3 que já sabemos que the lunatics have taken over the asylum. Mas nada nos preparou para a escalada de loucura e insanidade que tem sido esta história dos EUA vs. Iraque.
Ver aqueles tipos nas ruas de Bagdad a dar vivas aos soldados americanos e ao Mr. Bush (a minha preferida foi “Mr Bush and Mr. Blair good good very good” pintado na porta de um camião), sem se lembrarem que até à manhã desse próprio dia davam vivas ao Saddam (“saddam evil”) enquanto as bombas lhes caíam em cima das cabeças, só agravou a sensação de incredulidade e embaraço que tem sido o mundo nestes últimos meses.
É por causa desta falta de sentido total, que eu não tenho paciência para os discursos maniqueistas que dominaram a opinião pública portuguesa. E depois também não percebo que legitimidade têm as nações que se opuseram à intervenção armada de agora se quererem ir todas sentar à mesa dos despojos de guerra. Mas, lá está, “legitimidade” é a palavra menos pronunciável nestes dias de profunda estupidez.
Ver os iraquianos a festejar a chegada dos seus algozes (sem ilusões: rendem-se à lei do mais forte do momento, tal como se renderam a Saddam quando era ele a lei do mais forte), fez-me lembrar a nossa própria história, quando o povoléu que até aí era todo temente a deus, pátria e família, Viva o Dr. Salazar e a pide, acordou numa manhã de primavera e era todo de esquerda e cravo ao peito.
Não há uma canção do SG que diz qualquer coisa do género “a democracia é o pior de todos os sistemas tirando todos os outros”? Pois é isso mesmo: a ditadura da maioria é uma ditadura como outra qualquer, mas por enquanto é sempre a menos má das alternativas.
Mas disperso-me, nada disso vinha ao tema. Hoje, a única coisa que me apetece registar é o facto de, por enquanto, a loucura parecer apenas que está a aumentar.