?

Log in

No account? Create an account

gracias a la vida
rosas
innersmile
Balanço do fim de semana. Cheio como um ovo, de pessoas e coisas boas. Mas primeiro, três dívidas que tenho de saldar, em discurso directo.

A primeira é para ti. A questão é que a minha timidez e o meu ridículo sentido do ridículo me impediram de te dizer pessoalmente que ouvir aquela gravação do teu concerto foi um momento de verdadeira felicidade. Primeiro porque adoro os standards, essa fonte interminável de prazer e senso comum. Tudo aquilo que faz sentido na vida, cabe nos versos simples da canção popular, e tudo aquilo que é misterioso na vida, pode ser ouvido nas suas irresistíveis melodias. Eu fico logo em estado de graça quando ouço alguém cantar "it´s very clear Our love is here to stay", e foi logo o que primeiro te ouvi cantar. Depois, porque tu cantas verdadeira e maravilhosamente bem. A sério, não é festinhas e trocas de mimos. Cantas de uma forma solta, livre, como se a canção estivesse dentro de ti e cantá-la seja sempre a aventura de encontrar maneiras diferentes, íntimas e felizes, de a pôr cá para fora. Depois ainda, porque foi uma experiência única ouvir-te cantar sentado ao teu lado, sentindo o teu corpo ao lado do meu. Num momento, verdadeiramente embalado pela canção e pela voz que a cantava, esquecia-me que eras tu, sentada ao meu lado, que estavas a cantar. Esquecia-me, pronto!, deixava-me levar pela música, punha-me a cantarolar de cabeça a acompanhar a letra. Mas no momento seguinte, tomava consciência de que, afinal!, eras tu, ali sentada ao meu lado, a cantora, e isso deixava-me orgulhoso e até um pouco intimidado (wow!). Foi, como te disse, um momento muito feliz. Obrigado.

A outra dívida de gratidão é para convosco, meus queridos amigos, que me proporcionaram uma tarde (outra) maravilhosa. O vosso convívio, a vossa hospitalidade, a vossa simpatia, as vossas filhas, a vossa casa acolhedora, o vosso gato (que me lembra, por ser grande e bonito, o Gato Cheshire), são tesouros que vós generosamente partilhais, e acreditem que me sinto grato e honrado por me considerarem vosso amigo.

Grato ainda pelo mail que me mandaste, e que eu só vi ontem à noite, quando cheguei a casa. Palavra, gostei muito que tivesses escrito (já te tinha dado a entender que de certa forma estava à espera que o fizesses), e gostei muito do que me disseste. Vou-te responder pessoalmente, claro, mas com vagar e inspiração, por isso fica aqui só o recado.

E ponto, saldadas as dívidas, referência a outras coisas boas que o fim de semana trouxe.
Em primeiro, o concerto da Beth Gibbons & Rustin Man, que foi curto mas não foi pequeno. As canções da BG parecem uma geografia da alma, sítios e lugares onde vamos beber uma espiritualidade à flor da pele. Um concerto intimista, mas grandioso e eloquente, sereno mas intenso.
O convívio com os amigos do lj foi outra coisa boa. Os já conhecidos e aqueles que gostei (muito) de conhecer. Fiquei com vontade de falar contigo sobre o tema da tua tese e da conferência que vais fazer, mas, espero eu, não hão-de faltar oportunidades. Também gostei muito de ir ao Catacumbas. Apesar de não ser dia de concerto, aquela é a casa da menina e, por isso, uma das moradas do coração.
O fim de semana trouxe-me também um jantar com um querido amigo com quem já não estava há uns meses, apesar e ser dos mais regulares no meu telemóvel e na minha caixa de mail. Estar com o António é como beber uma daquelas bebidas esfuziantes, de paladar aberto, com piquinhos. Podemos não saber muito bem o que é que elas contêm, mas isso nunca retira o prazer de as beber de um trago.
Ontem, Domingo, almocei com a Carla e com a minha tia. Era o aniversário da Carla, que é uma das minhas pessoas preferidas do mundo. Amo aquela fulana acima de quase tudo. Tenho por ela toda a ternura de que sou capaz. Ter lá ido dar-lhe abracinhos e xi-corações fez-me sentir mais completo, mais feliz, mais amado.

Se somarmos a isto tudo, um dvd fantástico (Out of Africa), mais três ou quatro livros, um passeio tranquilo no parque Silva Porto em Benfica, o Chiado ao fim da tarde (pode haver conjunções de tempo e espaço tão belas, mas não há muitas que sejam muito mais belas), foi ou não foi um fim de semana invejável?
Tags: