?

Log in

No account? Create an account

o que ainda está por vir
rosas
innersmile
A crónica de Eduardo Prado Coelho ontem no Público diz tudo o que se pode dizer sobre a história de alegados casos de abuso sexual e lenocínio envolvendo crianças da Casa Pia e toda a teia de silêncios e eventuais cumplicidades que rodearam esses crimes. EPC, aliás, começa pela própria impossibilidade de reflectir, racional e ponderadamente, sobre esta história.
Só me apetece reforçar que, se os crimes ficam com quem os pratica, o escândalo envergonha-nos a todos. É realmente a última machadada sobre a nossa já tão abalada auto-estima nacional. Que mostra que alguma coisa está apodrecida na nossa sociedade, na nossa sociedade portuguesinha dos brandos costumes (O’Neill dixit: “ó Portugal, se fosses só três sílabas / de plástico, que era mais barato”). Sim, porque se pedófilos existem em todas as latitudes e em todos os tempos, já o cancro de silêncio que se gerou no nosso seio, sem que ninguém se atrevesse a romper a barreira invisível (excepto, honra lhes é devida, as vítimas e alguns dos seus professores), parece-me muito próprio destes tempos e deste país de ausência de valores e desígnios, de egoísmo extremo e facilitismo exagerado. Tudo é permitido a quem pode, e a quem não pode só lhe resta vender o que tem para viver na ilusão de que também pode.
Esta desistência, esta ausência de dignidade e vergonha, este premiar com respeitabilidade a quem vence na vida à custa da vigarice, do crime e da fraude, é a verdadeira maré negra que cobre o país e o agarra, cada vez mais, ao lodo do fundo.
Perturbante é também o papel da comunicação social neste caso. Na mesma passada, os “mídia”, sobretudo as estações televisivas, denunciam o crime e o escândalo com a frontalidade que mais ninguém teve coragem de assumir; e expõem a sua cloaca devoradora e voraz, sempre dispostos a sacrificar vítimas e carrascos na sensacionalista missão de tudo mostrar, mesmo o que não está lá, e dessa forma vender mais um bocado de papel, ou conquistar mais um reles e miserável ponto no gráfico das audiências.
Tags: