?

Log in

No account? Create an account

memórias: cassiano branco e gorbatchov
rosas
innersmile
Isto é como tudo: à falta de actualidades, vamos aos arquivos. Ok, só um parentesis (curvo) para dizer que precisava de mais uma semaninha como esta, aqui por casa, a ouvir música, a ler coisas, a entreter-me com aquele tipo de coisas que não tem interesse nenhum, não contribui para o aumento do PIB, mas que, de certa forma, nos ajuda a consolidar-nos.
Bom, então as memories do dia. São de 1991. A primeira tem a ver com uma troca de impressões com o retorta a propósito dos filmes do Wenders, e ponho-a aqui para me lembrar como podemos amar certos edifícios da mesmíssima forma como se ama um livro ou um filme. A segunda, porque tem a ver com uma época que desapareceu, e é como na canção do Chico Buarque: "quem não a conhece não pode mais ver para crer, quem jamais a esquece não pode reconhecer". E tem sobretudo a ver com aquela que seja talveza personalidade mundial que mais me fascinou durante a minha lifetime. Ainda hoje recordo uma manhã de Verão em que, na bancada da piscina municipal, li a primeira entrevista que Gorby concedeu à Time por ocasião da sua chegada à liderança do politburo, e que foi ela própria um acontecimento pelo facto de ser uma novidade os lideres da URSS falarem para os orgãos de imprensa do capitalismo; recordo o impacto que essa entrevista teve sobre mim, como se pressentia ali uma brisa de mudança (ok!, foi um vendaval!) e de novidade, nomeadamente se comparássemos com o discurso reaccionário e belicista do Reagan. Epah!, parece que estou a falar de outro mundo, de outra vida!
Então é assim:

I
Segunda, 23 Dezembro
Fim de semana em Lisboa.
Sábado. Exposição sobre Cassiano Branco no Éden Teatro. Excelente documentação sobre o Arquitecto, a Cidade e a Época. Excelente montagem e opção gráfica. No entanto, a jóia da coroa é mesmo o Edifício.Uma sala de espectáculos, só pelo facto de o ser, é já um lugar de magia. Além disso, o Éden contém uma profusão de elementos, de reminiscências, de evocações. Parece um navio. Um palácio. Parece tudo. Parece-se com tudo. Senti-me personagem de uma banda desenhada fantástica. Quando está fechado, o Éden é habitado por fantasmas. Quando está aberto também. O Éden Teatro é romântico e aventureiro.


II
Quarta, 25 Dezembro
(...)Gorbatchov demitiu-se esta tarde de líder da extinta URSS. Faz sentido: se já não há União Soviética, não há qualquer razão para haver um lider da mesma. Agora que a Rússia é a república mais importante da comunidade de estados integrantes da ex-URSS, talvez seja natural que o seu dirigente máximo seja igualmente o chefe dessa comunidade. No entanto, o último secretário-geral do PCUS mostrou-nos, primeiro, a face humana de um regime que parecia não a ter. Depois, provou que nada é imutável, nem mesmo, ou nem sobretudo, as utopias. Agora que os amanhãs já não cantam a leste, temos de procurá-los noutro sítio, e noutra forma qualquer. Sob pena de termos de aceitar que o que temos é o melhor que alguma vez teremos. 'It's the end of the world as we know it'. Bye-bye Gorby.
Tags: