August 13th, 2002

rosas

cicatrizes

Um dos aspectos interessantes do filme 'Stuart Little' foi ver como aos seus autores filmaram a cidade de Nova Iorque pós-Setembro, 11. O filme começa, e insiste, com vários planos de Manhattan, daqueles que eram fortemante marcados pela presença das duas torres do WTC, numa tentativa, mais ou menos evidente, de "impor" o novo skyline da cidade. De resto o filme nunca perde esse lado de homenagem a uma cidade, filmando-a de uma forma extremamente bela (o que não é muito difícil, NI é uma cidade lindíssima) e apresentando-a como uma cidade feliz. Aliás, não é dispiciendo que esta espécie de redenção da cidade apareça num filme infantil, que é, de modo geral um cinema "feel good".

Entretanto estive a ler num site da net um excerto de um livro que vai ser publicado em Setembro, e que é uma homenagem a um dos passageiros que viajava no vôo 93 da American Airlines, aquele que se despenhou na Pensilvania e que, aparentemente, foi re-conquistado pelos passageiros. É, pelo menos, essa a tese do livro, e, com pormenores mais ou menos "heróicos", é também a versão oficial dos acontecimentos: avisados através de inúmeros contactos com familiares e amigos em terra através dos telemóveis e dos próprios flyphones a bordo do que se estava a passar em NI e no Pentágono (a torre norte do WTC foi atingida 3 minutos depois do vôo 93 ter descolado do aeroporto vizinho de Newark), um grupo de passageiros terá tomado de assalto o cockpit do avião, do que resultou o seu despenhamento num descampado. Aparentemente, o alvo do avião era o Capitólio, em Washington DC, restando por apurar se a queda do avião foi provocada (pelos passageiros ou pelos terroristas?) ou se terá resultado das lutas e do descontrolo que se gerou a bordo.
O passageiro homenageado no livro chamava-se Mark Bingham, tinha 30 anos, ex-jogador de rugby, empresário e homossexual. Foi considerado National Hero, e a The Advocate nomeou-o Person of The Year.