August 2nd, 2002

rosas

se numa noite de inverno um viajante

Na quarta-feira, estava eu, durante a tarde, a fazer horas para saber o resultado da operação, e peguei no livro que o Público distribuiu com a jornal nesse dia. Assim, como se pega num livro quando se quer ocupar o espírito durante uns momentos naquelas ocasiões em que não nos conseguimos concntrar em oisa nenhuma por mais de uns breves minutos. E o milagre aconteceu. Li a primeira página, a segunda e por aí fora. Apesar das muitas interrupções e da preocupação "on the back of my mind" (tks, Mr. Simon). Um livro absolutamente fabuloso: Se Numa Noite de Inverno Um Viajante, de Italo Calvino.

É uma coisa um bocado estranha. Quando penso no tipo de intervenção a que o meu pai foi sujeito, fico assustado. Aquele coração bateu cá fora, na mão de alguém que teve, nesses momentos, o poder da vida e morte. Mas, ao mesmo tempo, correu tudo com muita serenidade e com muita confiança. Na quarta-feira, não o quis ir ver aos cuidados intensivos após a intervenção, achei que, estando a dormir profundamente sedado, ele não iria dar pela minha presença, e eu escusava de me impressionar com o aparato (a minha mãe claro que quis lá ir, e saiu impressionadíssima). Ontem, nos cuidados intermédios, já estive ao pé dele. Pareceu-me bem, muito consciente (contei-lhe a anedota do rinoceronte e ele pareceu gostar), mas muito cansado, ainda todo cheio de tubos, drenos, catéteres e outras coisas impressionantes. Como o céu me está a desabar em cima aqui no W (é sempre assim, Lei de Murphy, acho eu: quando alguma coisa corre mal, corre mal no pior momento possível), só lá vou poder ir ao final da tarde. Mas estou cheio de saudades de olhar para ele e vê-lo aqui!

Aqui no W, intalaram-me um computador novo. Lá perdi eu o título de ser-humano-que-trabalhava-com-o-pc-mais-antigo-do-mundo! Isto agora é uma delícia de rapidez. Até faz tonturas, para quem não está habituado como eu. Ainda não habituei foi às teclas: muito macias, muito suaves. Estava habituado ao teclado antigo e insisto em continuar a martelar furiosamente.