?

Log in

No account? Create an account

confissões privadas, públicas virtudes
rosas
innersmile
O episódio aparentemente edificante da confissão pública de Morais Sarmento de que já foi consumidor de drogas duras, num programa (de entrevista política, note-se) televisivo de Maria João Avilez, não deixa de me causar alguma estranheza.
Mas fico mais perplexo com a unanimidade acerca da dignidade da referida confissão, que grassou entre toda a classe jornalística. Com efeito, acho um pouco espantoso que nenhum colega de profissão se tenha, já não digo indignado, mas ao menos estranhado que Maria João Avilez, num espaço de "entrevista política" (note-se!), tenha disparado uma pergunta tão do íntimo e privado foro do passado pessoalíssimo de Morais Sarmento. Se fosse no jornal 24 Horas ou no Tal & Qual, se fosse no programa feirante da Júlia Pinheiro, não me espantava. Mas ali, entre análises cirúrgicas à recente vitória do partido de Morais Sarmento, e o tomar de pulso ao processo de formação do governo, então em curso, e de que Morais Sarmento viria a ser um dos destacados e seguros membros,pareceu-me uma questão inoportuna, mesmo extemporânea, de todo o modo ofensiva, ela sim, da dignidade da pessoa do entrevistado.
Logo Maria João Pires que tem fama (e proveito) de jornalista séria, competente, profissional. Porquê aquele sensacionalismo? Porquê ela? E porquê o aplauso generalizado dos colegas jornalistas à "coragem" de Morais Sarmento, sem uma única palavra de crítica censura à curiosidade sensacionalista da jornalista?
Naturalmente que a resposta é só uma. E naturalmente, também, ficamos à espera que Maria João Avilez, em próximas edições do seu programa de entrevista política (note-se), prossiga a saga de desmascarar os segredos de polichinelo da classe política.
Aliás, e para começar, podiam lá ir todos confessar que declararam às finanças a compra da casa por um valor inferior ao do negócio, por causa de sisa. Mas que, na graça de deus, recuperaram com a preciosa ajuda dos conjuges e dos amigos da política e de fora da política. E, já agora, de alguns amigalhaços jornalistas...