November 17th, 2001

rosas

mateeei o pai nataaaaal

O fim-de-semana passado foi muito mau. Aconteceram coisas chatas. E eu reagi de uma forma que não me agradou. Mas é um bocado um beco sem saída: há uma situação familiar que me incomoda bastante, faz-me reagir mal, e a minha própria reacção também me faz sentir mal. Gostava de conseguir reagir de outra forma: mais benévola e menos emocional. Adiante.

Chegou o natal. Não tanto porque a rádio começa a estar cheia de agoniantes anúncios com música de sinos e coros infantis ("Mateeei o Pai Nataaaaal, Mateeei o Pai Nataaaaal, Mateeei o Pai Nataaaaal, Com um facalhão"), mas porque já cá canta um DVD player, cortesia do Santa Claus himself! Hoje andei às compras de DVD's: Pulp Fiction, Almost Famous e o Prenda Minha do Caetano, que estou a ouver neste preciso momento. Uma outra vantagem: como o reprodutor de cd's que eu tenho é abaixo de cão, posso ouvi-los através do DVD player, o que melhora sensivelmente a qualidade da música que tenho andado a ouvir nos últimos meses...

No fds anterior, como passei pouco tempo em casa, comprei resmas de livros. Tantos que nem tenho paciência para os estar aqui a enumerar. O long runner que estou a ler de momento é 'O Vermelho e o Negro' de Stendhal. Pelo meio, já li um interessante 'Atrás de ti', de Pedro Mendonça, e 'Sinceramente', da actriz Graça Lobo, ambos colecções de contos curtos, quase telegráficos alguns da Graça Lobo. Além disso, aqui na minha casa vou lendo 'Little Joe Superstar. The films of Joe Dalessandro', que acompanho a desbobinar os filme do Andy Warhol. Claro que tudo com poesia, nomeadamente do José Luis Peixoto. Ah, e uma coisa linda linda que comprei numa feira do livro que houve no passado fds: o 'Delfim', do Cardoso Pires, em 4 cassetes audio, dito pelo actor Luis Lucas; uma pequena jóia, que me tem feito companhia nas viagens casa-empego.

Hesito em falar aqui de uma coisa que se passou aqui no LJ e que também contribuiu para me manter afastado daqui durante uns dias. Tenho de confessar que me tocou bastante o facto de alguém ter, a propósito do que aqui vou escrevendo, ficado com uma ideia negativa a meu respeito. Claro que este diáro, em primeiro lugar, é pessoal e intransmissível. Mas é inegável que o feedback positivo é também um factor determinante para aqui vir escrever. Claro que eu podia sempre optar por limitar a acesso aos comentários, mas, como resulta do que se disse, isso retirava metade da piada de aqui vir. Oh well...

An Inner Smile radiates powerful healing energy. Muito zen.