?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Flag Next Entry
papa-figos
rosas
innersmile


Vi um documentário sobre o Armistead Maupin e apeteceu-me tentar reler o livro Tales Of The City, tantos anos depois. Como é um livro que já tenho há muito tempo, desde antes de vir morar nesta casa, ainda é do tempo em que tinha as estantes arrumadas e foi fácil encontrá-lo.

Encontrei dentro do livro uns papéis. Um postal da Livraria Papa-Figos, que ficava no Redondo, no Alentejo, e que mandava vir livros do estrangeiro. Uma folha de fax com uma lista de livros de Michael Carson que a Papa-Figos me mandou. O recibo da venda do livro do Maupin, que custou 1.600 escudos, à volta de uns 8 euros. Comprei-o em Setembro de 1995.

Não foi o primeiro livro da famosa série de Maupin que li. Comecei pelo segundo volume, o More Tales of The City, que comprei em Dublin, numas férias, em Julho desse ano. Mas apaixonei-me de tal maneira que tentei logo ler os restantes livros que já tinham sido editados até então.

Foi na segunda metade dessa década de 90 que a loja Amazon se começou a expandir e que eu a descobri. E, claro, comecei logo comprar livros online, não só a oferta era maior como o circuito de entrega era mais abreviado e, por isso, mais rápido.

Mas houve ali uns bons anos em que fui um cliente assíduo e muito satisfeito da Livraria Papa-Figos. Eu ia a Londres frequentemente, e, além de vir carregado de livros, trazia muitas referências, quer de livrarias como a Gay's The Word, quer de revistas como a Time Out ou a Gay Times. E depois era através da Papa-Figos que ia fazendo as minhas encomendas.

Caramba, como as coisas mudaram, como o mundo mudou. A Papa-Figos com certeza acabou, ou pelo menos teve de se adaptar, porque dificilmente poderia sobreviver nesta era das compras online, e em que a Amazon se tornou num monstro, porém muito útil, que seca e destrói tudo à sua volta, no que toca a comércio livreiro.

Mas se a Papa-Figos morreu, não está esquecida, e aqui fica a minha homenagem a essas pessoas que nunca conheci, mas com quem falei ao telefone e troquei faxes, e que durante uns tempos resolveram as minhas necessidades de leitura.