miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

mais filmes

9. BOY ERASED, de Joe Edgerton. Com Nicole Kidman e Russell Crowe. O filme pretende ser uma denúncia dos programas de reorientação de identidade sexual,ou seja, de cura da homossexualidade. Mas onde eu achei que ele foi mais eficaz foi no retrato opressivo e sufocante que se vive no seio das famílias muito dominadas pela religiosidade. Quando se fala de fundamentalismo religioso, fala-se de qualquer coisa de muito parecida com aquilo que o filme nos mostra.****

10. JOHN MCENROE: In The Realm of Perfection, de Julien Faraut. Um filme muito interessante que nos fala de ténis, de desporto, e da condição humana. E que parte de um pressuposto muito cinematográfico, sendo por isso uma excelente reflexão sobre o cinema. O único senão é que passar praticamente uma hora e meia a ver o John McEnroe a servir, a jogar e a refilar com os árbitros, pode não ser o mais animado dos programas.****

11. THE FAVOURITE, de Yorgos Lanthimos. Com Olivia Colman, Emma Stone e Rachel Weisz. O trabalho brilhante das três actrizes pode ofuscar o resto do filme, uma comédia estranha e perturbadora sobre o poder e a sua relação com os afectos.****

12. VICE, de Adam McKay. Com Christian Bale, Amy Adams e Sam Rockwell. Não fiquei muito convencido com o tom de farsa, apesar de haver duas ou três soluções muito bem esgalhadas e divertidas. Seja como for, o filme também funciona como uma espécie de “American politics for dummies”, além de que ficamos a saber o que já sabíamos: quem é que de facto mandava no tempo em que George W. foi POTUS.***

13. THE MULE, de Clint Eastwood. Com Clint Eastwood, Bradley Cooper e Andy Garcia. Ah, que classe, que estilo, que cool. Aquele fio da navalha entre a fragilidade da idade e a dureza da vida, é assombroso. *****

14. THE HIGHWAYMEN, de John Lee Hancock. Com Kevin Costner, Woody Harrelson e Kathy Bates. Uma perspectiva diferente sobre a famosa dupla Bonnie & Clyde, a dos Texas Rangers que os perseguiram e abateram. O filme recupera uma certa secura western muito à Eastwood, e uma planura e vastidão que tínhamos saudades de ver no cinema.****

15. AINDA NÃO ACABÁMOS: COMO SE FOSSE UMA CARTA, de Jorge Silva Melo. Um comovente documentário que funciona como se fosse uma autobiografia cinematográfica do autor. Mas dizer isto assim parece artificial e solene ao pé da franqueza e da honestidade com que Jorge Silva Melo olha a câmara que ele próprio filma. *****

16. BLACKkKLANSMAN, de Spike Lee. Com John David Washington, Adam Drivers e Harry Belafonte. Já tinha saudades de ver “a joint by Spike Lee”, com o seu mix excitante de activismo político e liberdade narrativa. A história é um achado, um daqueles casos em que a realidade parece mais fantasiosa do que a ficção, e o realizador aproveita bem a ironia para dar o tom de comédia a um caso muito sério. Vale a pena prestar atenção à música de Terence Blanchard. E ver Harry Belafonte no ecrã é uma emoção.*****

17. A STAR IS BORN, de Bradley Cooper. Com Lady Gaga, Bradley Cooper e Sam Elliot. 1) A tearjerker is born. 2) Baby Jesus Loves Lady Gaga. ***
Tags: cinema
Subscribe

  • 18

    Comecei a escrever este diário online no dia 30 de Julho de 2001. Durante 16 anos, escrevia sempre nesse dia um texto de reflexão sobre o próprio…

  • azul velho

    Esta foto tem mais de 11 anos, foi feita em Março de 2008 na piscina de um resort em Hoi An, no Vietname, por um outro hóspede que eu não…

  • agosto

    Estive mais uma vez internado no hospital, desta vez para tirar o rim direito. Ou seja, neste momento não tenho rins nem bexiga, e comecei a fazer…

  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 0 comments