?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Next Entry
milos forman
rosas
innersmile
Chegou, este fim de semana, a notícia triste da morte de Milos Forman, o realizador norte-americano de origem checoslovaca. Há alguns anos que não dirigia, o seu último filme tendo sido os Fantasmas de Goya, de 2006. E apesar de não ter sido um realizador muito prolixo (menos de vinte filmes numa carreira de director que começou em inícios dos anos sessenta, ainda na Checoslováquia), Forman realizou uma mão-cheia de grandes filmes, alguns deles grandes exitos populares e da crítica.

De resto, acho que nunca vi um filme de Forman de que não tenha gostado, a começar dos ainda da fase checa, Os Amores de Uma Loira e O Baile dos Bombeiros. Voando Sobre Um Ninho de Cucos e Amadeus serão porventura os seus filmes mais conhecidos, tendo o primeiro sido um dos três únicos filmes a ganhar os cinco principais oscars da Academia: melhor filme, melhor realizador, melhor argumento, melhor actor e melhor actriz.

Estive a pensar naquele que seria o meu Top 5 dos filmes de Milos Forman. Acho que em primeiro lugar poria, ex-aequo, O Amadeus e o Man On The Moon, que é um filme que eu adoro. Em terceiro, também ex-aequo, o Voando Sobre Um Ninho de Cucos e o Hair, um filme ainda dos anos 70, e que me marcou imenso. Para o quinto lugar, hesito muito entre o Valmont e o Ragtime, mas acho que escolho o primeiro. Apesar de contar com a Annette Benning no papel de Marquesa de Merteuil, o filme estreou na ressaca do grande êxito que tinha sido Dangerous Liaisons, do Stephen Frears, e que tinha um cast electrizante: John Malkovich, Glenn Close e Michelle Pfeiffer.

Para além dos filmes que adorei, tenho ainda uma outra dívida pessoal para com o Milos Forman: numa das minhas idas a Londres, tentei ir ver Amadeus, acabado de estrear. Apesar de ter ido várias vezes à porta do cinema tentar arranjar bilhete, as sessões estavam sempre esgotadas. Acabei por só ver o filme já em Coimbra, mas ainda nessas férias comprei a banda sonora do filme e foi um coup-de-foudre. Agradeço pois a Forman esta paixão pela música de Mozart, que ficou para sempre.