?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Next Entry
amor
rosas
innersmile
Vinha um cão à minha porta
- escanzelado e a cheirar mal
Lambia-me as mãos
e comia o resto do meu jantar
Escorracei-o
Foi-se a ganir cabisbaixo
E já longe do portão
pôs-se a ladrar zangado
E uivou à Lua como um lobo
Chamava-se Amor.
Tags:

  • 1
Miguel, os únicos poemas que entendo e me tocam são justamente poemas como este teu "Amor": sintéticos, ritmados, imagens fortes, ricos em metáfora e conteúdo. E tu tens esta particularidade especial de ser capaz de deixar um pouco de ti nas linhas que escreves, normalmente os recantos mais sombrios do teu ser, invisíveis do exterior. Aqui consegues fazê-lo sem pinga de autocomiseração ou lamento, o que me fascina. Vamos publicar mais uma coletânea de poesia?

RE: Poemas de Inverno

Oh João, este teu comentário "made my day". Muito obrigado. O meu editor gosta e ainda por cima propõe-me uma edição! É bom demais.
Ainda há pouca produção, mas lá irá, esperemos.
Grande abraço

  • 1