miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

inventários 2017

Este ano, os inventários do costume chegam mais cedo e vêm reunidos numa só publicação. A partir de agora, novos livros ou filmes (nas outras categorias é muito improvável que haja novidades) que apareçam, só irei falar deles no próximo ano.

1.
Concertos

- Adriana Calcanhotto, com Arthur Nostrovski, TAGV
- Cristina Branco (Menina), com Luís Figueiredo, Bernardo Couto, Bernardo Moreira, ACMC
- Ute Lemper, CAE da Figueira da Foz
- Jacques Morelembaum, com Lula Galvão e Márcio Dhiniz, ACMC
- Grigory Solokov, Convento São Francisco
- Silvia Pérez-Cruz (Vestida de Nit), Convento São Francisco
- António Zambujo (Até Pensei Que Fosse Minha), Convento São Francisco

Dança

- CNB - Balanchine/Forsythe/Van Manen/Keersmaeker, CAE Figueira Foz

Teatro

- Quem Tem Medo de Virgínia Wolf, de Edward Albee, enc Diogo Infante, CAE Figueira Foz
- Simone, O Musical, de Tiago Torres da Silva, enc Tiago Torres da Silva, CAE Figueira Foz
- Mais Respeito Que Sou Tua Mãe, de Hernán Casciari, enc Joaquim Monchique, CAE Figueira Foz

Exposições e Museus

- Museu do Caramulo, coleções de arte, brinquedos e carros antigos

Poucos concertos, mas todos muito bons e inesquecíveis. Irrepreensíveis, os concertos de Cristina Branco e de António Zambujo, a apresentarem os seus mais recentes trabalhos discográficos. E uma ocasião única, a possibilidade de ouvir um recital de Solokov. Mas se tiver de escolher apenas um, terá de ser o da Sílvia Pérez Cruz, no auditório do Convento de São Francisco, e apesar do gigantismo da sala não ser nada apropriado à intimidade da música e do canto de SPC. Primeiro foi a revelação: já tinha ouvido a música, escutei previamente as canções, mas só naquele momento, ali, ao vivo, fui tocado pela sua força e pela sua doçura. Depois foi a força inspiradora daquela voz (e dos fantásticos arranjos para quarteto de cordas), o seu poder de efabulação, de nos levar através de narrativas imaginárias, a sensação de comunhão plena com as canções e os seus intérpretes, mesmo quando estamos desterrados lá na última fila do imenso auditório. Fez-me muito lembrar um concerto a que assisti, há muitos anos, da Lhasa de Sela, no Gil Vicente, e que foi igualmente transformador do ouvinte.

De assinalar ainda o espectáculo de dança da CNB (tinha e continuo a ter saudades de ver dança ao vivo) e, nos espectáculos teatrais, a emoção de Simone, O Musical.


2. Filmes

- Milky Road, de Emir Kusturica
- Little Men, de Ira Sachs
- Silence, de Martin Scorsese
- La La Land, de Damien Chazelle
- Moonlight, de Barry Jenkins
- Manchester By The Sea, Kenneth Lonergan
- Aquarius, de Kleber Mendonça Filho
- Denial, de Mick Jackson
- Dalida, de Lisa Aznelos
- The Zookeeper’s Wife, de Niki Caro
- Paula Rego, Histórias e Segredos, de Nick Willing
- Churchill, de Jonathan Teplitzky
- Paris Can Wait, de Eleanor Coppola
- Lady MacBeth, de William Oldroyd
- Return to Montauk, de Volker Schlondorff
- Victoria & Abdul, de Stephen Frears
- Al Berto, de Vicente Alves do Ó
- Blade Runner 2049, de Denis Villeneuve
- Django, de Etienne Comar
- Loving Vincent, de Dorota Kobiela e Hugh Welchman
- Quand On A 17 ans, de André Téchiné
- Peregrinação, de João Botelho
- Murder On The Orient Express, de Kenneth Branagh
- 120 Battements Pas Minute, de Robin Campillo
- Wonder Wheel, de Woody Allen

Acho que se tivesse de escolher o meu filme do ano, seria o Aquarius, do brasileiro Kleber Mendonça Filho, sobre a luta que uma mulher a envelhecer trava para guardar as memórias de uma vida como as outras, ou seja, cheia de alegrias e tristezas, de momentos de felicidade e de momentos de angústia, com uma actriz no seu melhor, Sónia Braga, e uma narrativa eficaz, segura e envolvente.

Mas destacaria igualmente outros filmes que me tocaram intensamente: Manchester By The Sea, de Kenneth Lonergan, sobre a possibilidade de recuperarmos de perdas irrecuperáveis, Quand On A 17 Ans, de André Téchiné, sobre as grandes descobertas da adolescência e que são sempre viagens interiores, Peregrinação, de João Botelho, que reinventa uma maneira de contar o livro de Fernão Mendes Pinto, e um filme que vi apenas em dvd, Paula Rego, Histórias e Segredos, de Nick Willing, que é uma espécie de mapa dos mistérios que a pintura de Paula Rego encerra, e que o filme mostra mas não decfra.


3

Livros (os títulos estão no idioma em que os li)

- Comer | Beber - Filipe Melo e Juan Cavia
- Vampiros - Filipe Melo e Juan Cavia
- A Pior Banda de Mundo I - José Carlos Fernandes
- A Pior Banda de Mundo II - José Carlos Fernandes
- O Segredo do Espadão I - Edgar P. Jacobs
- O Segredo do Espadão II - Edgar P. Jacobs
- O Segredo do Espadão III - Edgar P. Jacobs
- O Testamento de William S - Yves Sente
- Astérix e a Transitálica - Jean-Yves Ferri e Didier
- O Lótus Azul, de Hergé

- Nada Tem Já Encanto - Rui Knopfli

- Esaú e Jacó - Machado de Assis (ebook)
- Bilac Vê Estrelas - Ruy Castro
- Bufo & Spallanzani - Rubem Fonseca (ebook)
- 8 Minutos, Fabíula Bertolozzo (ebook)
- Ponta Gea - João Paulo Borges Coelho
- A Rainha Ginga - José Eduardo Agualusa (ebook)
- A Capital - Eça de Queirós
- O Segredo dos Braganças - Ricardo Correia

- Todo Teu: Quinta - Nuno Oskar (ebook)
- Todo Teu: Fim de Semana - Nuno Oskar (ebook)

- Francisco Pinto Balsemão - Joaquim Vieira
- Abril e Outras Transições - José Cutileiro
- Memórias Anotadas - José Medeiros Ferreira
- O Raio Verde: Crónicas - Fernando Fausto de Almeida
- Tenho Cinco Minutos Para Contar Uma História - Fernando Assis Pacheco
- A Doença, O Sofrimento e A Morte Entram num Bar - Ricardo Araújo Pereira
- Uma Autobiografia - Rita Lee
- Dicionário da Literatura Gay, 5ª edição - Luís Chainho e João Máximo (ebook)

- Itália, Práticas de Viagem - António Mega Ferreira
- Diário das Viagens Fora da Minha Terra - Eugénio Lisboa
- Legendary Pacific Coast: de Sidney a Cairns - Luís Chainho e João Máximo (ebook)

- O Factor Humano - Graham Greene (ebook)
- O Nosso Agente em Havana, Graham Greene (releitura)
- Só Nos Deixaram as Roupas Que Vestiam - Alan Bennett
- Diário de Um Zé Ninguém - George Grossmith
- O Escritor Fantasma - Philip Roth
- Enquanto a Inglaterra Dorme - David Leavitt (releitura)
- Our Young Man - Edmund White (ebook)
- O Ministério da Felicidade Suprema - Arundhati Roy
- A Rapariga Apanhada na Teia de Aranha - David Lagercrantz

- O Homem Que Gostava de Cães - Leonardo Padura
- O Labirinto dos Espíritos - Carlos Ruiz Zafón

- Logical Family, A Memoir - Armistead Maupin (ebook)
- Miles, The Autobiography - Miles Davis
- O Túnel dos Pombos - John Le Carré
- Sal Mineo, A Biography - Michael Gregg Michaud
- Autobiografía, O Mundo de Ontem - Stefan Zweig (ebook)
- Tio Tungsténio - Oliver Sacks (ebook)
- O Rio da Consciência - Oliver Sacks
- Fresh-Air Fiend - Paul Theroux (ebook)
- By The Seat of My Pants - (Antologia) org. Don George
- Em Viagem pela Europa de Leste - Gabriel Garcia Marquez
- Gilgamesh

- Granta Portugal 9: Comer beber
- Granta Portugal 10: Revoluções

Mais de 50 livros, muitos e bons. A leitura tem vindo a ser, e cada vez mais nos últimos anos, a minha companhia e o meu refúgio. Este ano li mais BD do que o costume, e, possivelmente pela primeira vez, mais livros de não ficção do que contos ou romances. Cada vez mais me apetece ler livros de memórias ou biografias (umas 10 obras, este ano) e de viagens (6). Li 14 livros em forma de ebook, menos do que gostaria pelo conforto que me dá a leitura em formato electrónico. E reli dois livros, do Graham Greene e do David Leavitt, dois autores que foram muito importantes em determinados períodos da minha vida, e que tenho vindo a redescobrir com igual ou maior entusiasmo.

É difícil destacar os melhores livros, desde logo porque “ser melhor” é um conceito complexo e subtil. Nuns casos, os melhores foram os mais divertidos, noutros, os que me proporcionaram mais revelações e descobertas. Os melhores livros são sempre aqueles que nos tornam a nós melhores pelo facto de os termos lido. Alguns desses, foram estes cinco: Os Vampiros, que resgata através da ficção a memória importante da guerra colonial em pranchas perfeitas e de uma beleza imensa, Ponta Gea, obra incategorizável que de forma delicada e intensa nos conduz por uma viagem pelas memórias de infância conduzida pelo poder narrativo da ficção, Miles: The Autobiography, uma das raras autobiografias de um músico que nos revela, não apenas a sua vida mas sobretudo a sua obra, a matéria de que é feita a sua música, Logical Family: a Memoir, porque Armistead Maupin fala da sua vida com a mesma alegria narrativa e a mesma intacta emoção com que nos contava as histórias dos moradores do número 28 de Barbay Lane, e O Fator Humano, porque Maurice Castle somos nós.

Tags: cinema, concertos, dança, exposições, inventários, livros, teatro
Subscribe

  • 18

    Comecei a escrever este diário online no dia 30 de Julho de 2001. Durante 16 anos, escrevia sempre nesse dia um texto de reflexão sobre o próprio…

  • azul velho

    Esta foto tem mais de 11 anos, foi feita em Março de 2008 na piscina de um resort em Hoi An, no Vietname, por um outro hóspede que eu não…

  • agosto

    Estive mais uma vez internado no hospital, desta vez para tirar o rim direito. Ou seja, neste momento não tenho rins nem bexiga, e comecei a fazer…

  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 0 comments