?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Next Entry
família
rosas
innersmile


Desde junho que não ia ao Algarve, ver os meus sobrinhos. Ainda tive, em outubro passado, a visita da minha baby, mas desde essa altura não via o rapazinho, e é uma diferença de todo o tamanho, um bebé com um ano ou com ano e meio. Está o máximo, com uma grande destreza física, muito determinado e autónomo, bem disposto e cooperante. Adora brincar com carrinhos e está sempre a correr de um lado para o outro. É um encanto estar só a olhar para ele, e a interagir sempre que lhe apetece. No primeiro dia em que estivemos juntos, estava um pouco estranho, no segundo, numa casa que não era a dele e com muita gente à volta, estava muito metido consigo próprio, mas finalmente no último dia, estávamos só ele, a mãe e eu, então estava completamente solto, a falar pelos cotovelos, a desfiar todo o leque de gracinhas e brincadeiras. Foi a loucura.

A minha baby está muito mimalha e birrenta, mas é uma miúda muito irreverente e com imensa graça, de modo que mesmo no meio das birras, eu não conseguia deixar de lhe achar graça, sobretudo aos esforços argumentativos, com gestuário a acompanhar, para convencer os pais da razão e da justiça da birra. Gosto muito da relação que ela tem comigo, apesar de ser claro que eu venho num lugar mais abaixo da sua hierarquia afetiva, está completamente confiante, e trata-me como se eu fosse da corte dela, o que é sempre um privilégio.

Adoro o envolvimento que eu tenho com os meus sobrinhos-netos, e com os meus sobrinhos. Sinto-me muito próximo deles, se calhar como nunca estive anteriormente. Aliás, o meu sobrinho já me disse uma vez que eu tinha mais paciência e atenção para a filha dele do que tinha para ele quando era miúdo. Talvez tenha razão. Mas não é aqui o lugar, nem há necessidade alguma, para tentar perceber porquê. Mas, é engraçado, porque sinto um orgulho enorme no meu sobrinho, acho que é o sentimento mais forte que tenho em relação a ele: quando estou ao pé dele, quando saímos juntos, ou quando estamos juntos, no sofá, na sorna, sinto-me sempre muito orgulhoso dele e da sua companhia. Acho que é um homem bom, capaz e generoso, e essas são algumas das melhores qualidades que se podem ter. Seja como for, sinto-me sempre muito bem quando estou lá embaixo, com eles. Fico um bocadinho cansado, é certo, porque eles têm todos uma energia tão grande, mas sinto-me sobretudo feliz e em paz com a vida.