?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Next Entry
na ressaca do são valentim
rosas
innersmile



NÃO INVENTES

Não venhas cá com merdas. Não inventes.
Não olhes nos meus olhos. Sai apenas.
E poupa-me aos discursos eloquentes
e às farsas do adeus. Não faças cenas.

Não digas que lamentas ou que a vida
às vezes é assim: que tudo esquece;
que o mundo e o tempo curam qualquer ferida.
Repito, meu amor: desaparece.

E leva o que quiseres de tudo quanto
um dia suspeitámos partilhar:
os livros, as esculturas em pau-santo,
os discos, os retratos, o bilhar.

Não deixes endereços. Por favor:
eu quero é que te fodas, meu amor.


- José Carlos Barros, O USO DOS VENENOS (Língua Morta)

Lido (e ouvido) no blog http://ler.blogs.sapo.pt/
(http://ler.blogs.sapo.pt/um-poema-de-jose-carlos-barros-1065434)