miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

ettore scola, una gionata particolare

Faleceu, no início desta semana, o realizador Ettore Scola, um dos mais distintos cineastas italianos. Apesar de recentemente não ser muito falado, Scola nunca deixou de fazer cinema e ali entre os anos 60 e os anos 80 realizou uma mão cheia de filmes muito populares. Alguns nunca vi, como Tão Amigos Que Nós Éramos ou Terraço. Mas vi três filmes verdadeiramente extraordinários, e inesquecíveis: Feios, Porcos e Maus, O Baile, e sobretudo Um Dia Inesquecível.

Encontrei nos arquivos do livejournal dois pequenos textos que escrevi sobre Una Giornata Particolare, a propósito da sua retransmissão na TV, em outubro de 2002. Apenas acrescentar, para contexto, que o filme passa-se no dia em que Hitler chega a Roma, em maio de 1938, para fazer uma visita a Mussolini. Num prédio de habitação popular, toda a gente sai para assistir ao histórico encontro, menos uma dona de casa mãe de seis filhos, cansada mas voluptuosa, e um radialista duplamente acossado, por ser homossexual e anti-fascista.

No dia 8 de outubro:
“(...) logo à noite, na rtp2, vai passar Una Giornata Particolare, que é o melhor filme do Ettore Scola (porque é que os filmes dele deixaram de passar cá na merdaleja?), o melhor filme do Marcello Mastroianni (e não me estou a esquecer do La Dolce Vita) e, apesar de esta não ser muito difícil, o melhor filme da Sophia Loren. Um filme 'pequeno', intímo e intimista, nada pretencioso, mas verdadeiramente admirável, sobre um acontecimento verdadeiramente "particolare": duas pessoas que não podiam estar mais longe uma da outra, encontram-se (no sentido físico, mas também no sentido espiritual do termo) num dia que a história se faz para lá da janela do apartamento que partilham.
Uma obra-prima, que estará hoje à distância do botão "rec" do telecomando.”

E no dia 9:
“Uma das inúmeras razões que tornam o filme Una Giornata Particolare verdadeiramente admirável, tem a ver com as diversas dualidades que o filme vai estabelecendo. Há sempre dois planos que se estão a desenrolar simultâneamente e que se vão encontrando, cruzando e afastando. Inscrevendo a matriz fundamental do filme, o seu p(l)ano de fundo, está a dualidade entre o que se vai passando lá fora, na parada militar a que assistem Mussolinni e o seu convidado Hitler, e que vamos acompanhando pare passu através da reportagem radiofónico (outra dualidade: Gabriele acaba de ser despedido da estação de rádio), e o que se passa cá dentro, entre os dois protagonistas (outra dualidade: no filme há dois encontros, um lá fora e outro cá dentro). A visita de Hitler a Itália teve início a 6 de Maio de 1938, quando a ascenção do nazi-fascismo era ainda uma dupla promessa: um apregoado horizonte de glória para a Europa (o império nazi era um programa para durar 1000 anos), e um encontro marcado com o terror e a ignomínia absoluta. E o filme (ajudado, é certo, pela história) nunca nos deixa esquecer que estamos à beira do abismo.
[Antonietta e Gabriele, eles próprios, são personagens dúplices ao longo da narrativa, tal como são sempre dúplices as posições de um em relação ao outro (dir-se-ia que o único momento em que se encontram será aquele em que fazem amor, mas esse não nos é mostrado)].”

Tags: cinema, obituário
Subscribe

  • 18

    Comecei a escrever este diário online no dia 30 de Julho de 2001. Durante 16 anos, escrevia sempre nesse dia um texto de reflexão sobre o próprio…

  • azul velho

    Esta foto tem mais de 11 anos, foi feita em Março de 2008 na piscina de um resort em Hoi An, no Vietname, por um outro hóspede que eu não…

  • agosto

    Estive mais uma vez internado no hospital, desta vez para tirar o rim direito. Ou seja, neste momento não tenho rins nem bexiga, e comecei a fazer…

  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 2 comments