miguel (innersmile) wrote,
miguel
innersmile

mia madre

Consegui finalmente ver Mia Madre, o mais recente filme de Nanni Moretti. É inevitável pensar em La Stanza Del Figlio e até em Caos Calmo, um filme de que Moretti foi argumentista e actor. Todos estes filmes lidam com o tema do luto, com a devastação emocional, quer individual quer familiar, que representa a morte de alguém que faz parte do nosso círculo mais íntimo.

Moretti tem uma maneira muito particular, e muito eficaz, de se aproximar do melodrama. Tal como acontecia com O Quarto do Filho, há uma enorme subtileza no modo como aborda os sentimentos, nunca os mostrando ou nomeando, mas criando momentos ou espaços de silêncio nos quais as personagens, e nós com elas, se confrontam na sua própria solidão e desamparo.

Como Mia Madre também é um filme de comédia, um dos gags recorrentes tem a protagonista, Margherita, uma realizadora de cinema a rodar um filme de intervenção social e política, a dar aos seus actores a seguinte orientação: ela quer que eles sejam o personagem mas que ao mesmo tempo estejam, enquanto pessoas, ao lado da personagem, fora dela. Trata-se de uma instrução que os actores têm dificuldade em compreender, quanto mais executar, mas que é o que acontece no filme com espantosa eficácia: o filme é o que a câmara mostra, é o que está ali, mas é sobretudo o que está ao lado, o que está fora, a vida, o tumulto interior das personagens que apenas assoma nos pequenos gestos, nos olhares, no desânimo que de súbito tira ritmo aos passos quando caminhamos, nos breves momentos em que a tensão não pode mais ser contida e explode em breves mas devastadoras erupções.

Se O Quarto do Filho abordava o luto propriamente dito, o efeito irreparável de uma morte brutal e inesperada, Mia Madre centra-se nessa espécie de luto antecipado com que se vive uma morte anunciada: sabemos que vai acontecer, inevitavelmente, mas também em vão, tentamos preparar-nos para o pior que nos espera, tentamos lidar com a insuportável iminência da falta que nos vai fazer não apenas a pessoa de quem nos despedimos, mas também o amor que nos liga a ela. Aos poucos, a nossa vida passa a ser vivida quase inteiramente sob o plúmbeo céu da compaixão, do desânimo, da tristeza, da preocupação. As coisas do dia a dia, os pequenos incidentes e contrariedades, os caprichos dos outros, tudo isso se torna abrasivo. A dor imensa começa a esconder-se debaixo de uma espécie de conformismo bovino, animal; uma coisa sem nome e sem tacto. Uma mancha.
Tags: cinema, moretti
Subscribe

  • agosto

    Estive mais uma vez internado no hospital, desta vez para tirar o rim direito. Ou seja, neste momento não tenho rins nem bexiga, e comecei a fazer…

  • I wanted to dance

    Há já algum tempo cruzei-me com um poema de Allen Ginsberg de que gostei muito, e que me ficou na memória. Há uns dias, a propósito de uma leitura,…

  • melhor do que o silêncio

    Ontem à noite, quando me ia deitar, vi nas redes sociais a notícia da morte de João Gilberto. Vieram-me logo à ideia dois versos de uma canção do…

  • Post a new comment

    Error

    default userpic
    When you submit the form an invisible reCAPTCHA check will be performed.
    You must follow the Privacy Policy and Google Terms of use.
  • 4 comments