?

Log in

No account? Create an account

Previous Entry Share Next Entry
angst essen seele auf
rosas
innersmile


Há muitos anos que não via um filme de Rainer Werner Fassbinder. Tive a sorte de ver um número razoável de filmes do realizador alemão durante os meus anos formativos enquanto espectador de cinema, mas depois, creio que depois de Querelle, o seu derradeiro filme, nunca mais vi ou revi nenhum. Este mês o cineclube está a passar um ciclo dedicado à sua obra, com a mais-valia de eu nunca ter visto a maior parte dos filmes que passam.

Sim, porque eu vi muitos filmes do realizador, mas todos sabemos como ele era produtivo: dezenas de filmes, curtos e longos, séries de televisão, sem contar com as produções de teatro, tudo isto num curtíssimo período de tempo, uma vez que o realizador morreu muito precocemente, no início dos anos 80. Por exemplo, o filme que vi ontem, O Medo Devora a Alma / Angst essen Seele Auf, de 1974, foi já a vigésima longa-metragem de Fassbinder.

Uma das razões porque gosto tanto dos seus filmes, é porque grande parte da obra de Fassbinder dedica-se a trabalhar as regras do melodrama, que é um dos meus géneros de cinema favoritos. E como é próprio do género, o dinâmica do melodrama tem um alcance social, é uma expécie de ensaio laboratorial dos dramas e dos conflitos da sociedade, permitindo, esta caracteristica, que Fassbinder ensaie uma análise da sociedade que emergiu da Alemanha do pós-guerra.

E O Medo Devora a Alma é um dos melhores exemplos, tanto mais que o filme se inspira nos dispositivos narrativos de um dos mestres do melodrama, Douglas Sirk, contando a história de uma mulher viúva e já idosa que, para escândalo de familiares, vizinho e colegas, se enamora e casa com um emigrante marroquino, jovem e robusto.

Por um lado, Fassbinder acentua as tensões e os conflitos próprios do género, que primeiro nascem do exterior, com a rejeição dos que estão à volta do casal, mas que depois, de maneira inevitável, contaminam a própria relação entre o casal. Por outro lado, o filme é feito com um mínimo de recursos, e é admirável como o realizador se concentra na economia da narrativa, explorando o plano para poder dar o máximo de informação ao espectador, de maneira intensa e profunda.
Tags:

  • 1
Fassbinder is my favorite film director. In A Year of Thirteen Moons, Martha, & Fox & His Friends are my favorites although Fear Eats the Soul & Querelle are also excellent. You can see Sirk's influence in many of his films.

I'm glad I have the chance to view some of his films now

Veronika Voss

(Anonymous)
Fassbinder não assistiu à "première" de Querelle, pois faleceu antes.
No entanto, o último filme seu a cuja representação assistiu foi, para mim, também um dos mais belos que conheço da sua carreira: "Die Sehnsucht der Veronika Voss", para o qual se inspirou num dos mais fantásticos filmes que saiu de Hollywood - "Sunset Boulevard".
Confesso que sinto saudade da obra de Fassbinder, ainda que perceba que o preço foi elevadíssimo.
Manel

vi o VV há muitos anos, lembro-me mal. gostaria de o rever.

  • 1