Previous Entry Share Next Entry
palomar
rosas
innersmile


Aqui há uns anos tive a ideia de ler um livro de Italo Calvino por ano. É o que eu faço com alguns autores de que gosto muito, e, depois de ler Se Numa Noite de Inverno Um Viajante e As Cidades Invísiveis, planeei ler com regularidade outras obras do autor. Já lá vão mais de dez anos e nunca mais lhe peguei. Agora cruzou-me o caminho o seu último livro publicado, Palomar, e, claro, não perdi a oportunidade. Fiquei foi sem perceber porque é que demorei tantos anos a regressar.

O livro é fabuloso. Um conjunto de reflexões sobre diversos aspectos do dia a dia do Sr. Palomar, estruturadas de acordo com um plano rigoroso e intencional, que o autor detalha e explica nas últimas páginas.

Palomar é o nome de um observatório astronómico, e o livro joga com esse aspecto: um poderoso telescópio que começa por olhar para fora mas que se volta sempre para o âmago do próprio observador, utilizando para a sua vida mental o mesmo detalhe racional e lógico que dedicamos ao mundo exterior.

O resultado é poderoso, tão intenso e cerebral quanto absurdo e divertido. O mundo parece sempre não ser muito mais do que um mecanismo cuja simplicidade nos permite compreendê-lo, mesmo que isso apenas nos leve a novas perplexidades.

E não se tratando propriamente de um livro de ficção, e o Sr. Palomar carecer de um mínimo de densidade psicológica que a torne convincente enquanto personagem, a verdade é que aos poucos vamo-lo conhecendo cada vez melhor, ou dito talvez com mais adequação: ele vai-se apoderando de nós, tomando conta do nosso entendimento, ao ponto de não demorarmos muito a estarmos completamente viciados naquele olhar tão simples quanto espantoso.

  • 1
um amigo ofereceu-me esse livro nos anos mas ainda não o li. tenho de o fazer

just do it, como dizem os tipos das sapatilhas :)

Nunca li nada deste autor. Uma falha a remediar no próximo ano. A tradução é do país irmão? É um ebook? Aquele site é uma mina. Uns sacam filmes... :-)

é sim, e lembrei-me de ti, porque concordo com o que disseste uma vez: é facílimo, aliás é mais do que isso, uma diversão, um prazer, ler livros escritos em português do Brasil, mas há uma certa dificuldade em ler as traduções, estamos sempre a tropeçar numa sensação de falsidade. é esquisito.
mas atenção, o livro está muito bem traduzido, mesmo a arranhar a nossa "sensibilidade linguística", percebe-se que é uma tradução de luxo.

Saquei O Morcego, do Jo Nesbo, em PDF, para ler na hora do almoço no PC do work, mas confesso que não estou a gostar muito. Já o folheei por cá e é diferente. Bem, a cavalo dado... :-)

eu já tenho mais dois 'marcados'. aquilo é uma mina, até tenho problemas de consciência. vá lá que agora estou a ler um que comprei :)

Que raiva! Não se pode ler um post teu sobre livros que não se fique logo com vontade de correr à livraria mais próxima para comprar... :D
Já estive com as Cidades Invisíveis na mão... é o melhor ponto de partida para começar a ler o Calvino?

eu aconselharia o Se Numa Noite de Inverno Um Viajante. é uma obra-prima, e não há nada como entrar pela porta grande :)
o Calvino tem aquela vantagem de ficarmos cheios de auto-estima porque estamos a ler a 'Grande Literatura', mas é divertido e entusiasmante como um livro de aventuras.

  • 1
?

Log in

No account? Create an account