Previous Entry Share Next Entry
the price of salt
rosas
innersmile


Sou fã da Patricia Highsmith há muito tempo, admiro-a não apenas como mestre do policial psicológico e do suspense, mas principalmente pelo domínio da narrativa, pela capacidade da escrita em criar tensão e conflito. Finalmente li este livro, há muito desejado, e quis lê-lo antes de estrear o filme que Todd Haynes fez a partir dele, com a Clate Blanchett e a Rooney Mara nos principais papéis (e já agora, devo dizê-lo, mesmo sem ter visto o filme nunca consegui deixar de associar a personagem da Carol ao rosto da Blanchett).

Trata-se da segunda obra que Highsmith publicou (depois de Strangers on a Train, e de ter vendido os direitos deste livro a Alfred Hitchcock), em início dos anos 50, e sob pseudónimo, dado o carácter 'delicado' do tema: um romance de amor entre duas mulheres, que termina bem porque, de facto, o amor verdadeiro vence tudo.

O que é mais admirável nesta obra, para além do seu carácter pioneiro e da coragem da sua autora (acrescida, dado que na génese do livro está um episódio autobiográfico), é que Highsmith carrega este romance de amor de todo o conflito e de toda a tensão que já conhecemos da sua obra policial. Therese e Carol são personagens complexas, que nunca compreendemos muito bem, nem no seu perfil nem quanto às suas intenções. Como em muitos dos seus outros livros (e percebe-se a atracção de Hitchcock), tudo parece estar em desfavor das personagens, todos os outros mas também todas as circunstâncias, elas parecem sempre ancorar-se numa solidão que é, ao mesmo tempo, a sua fragilidade e o seu esteio de resiliência, e só mesmo no final, nas derradeiras páginas, a coragem das personagens parece ser recompensada.

  • 1
Já tinha ouvido falar do filme que deu brado no recente festival de Cannes.
Agora há o livro. É sempre a dúvida o que fazer primeiro: ver ou ler?
Já sei que se leio primeiro, depois o filme sabe-me a pouco, como é habitual...

repara que o livro é de 1952, um dos seus primeiros, anterior ao do Tom Ripley.

a PH é dos meus autores preferidos: 11 livros, e não ficarei por aqui :) já está no top 5, ainda que ex-aequo com outros, dos autores que mais li

li algures que o filme só sai em janeiro. será verdade? tanto tempo.
quero ler, também.

não sei Margarida. parece-me que li que seria em outubro, mas não tenho a certeza.

  • 1
?

Log in

No account? Create an account