Previous Entry Share Next Entry
astronomia
rosas
innersmile


Mário Cláudio é um escrito prolífico e sem dúvida um dos maiores na cena da literatura portuguesa contemporânea. A sua escrita é única, inconfundível, com uma capacidade de efabulação muito grande. Vamos atrás das suas palavras, das frases, como do flautista de Hamelin, sempre com uma sensação de prazer e encantamento.

Astronomia é a sua mais recente obra e a dificuldade começa logo na sua classificação. Trata-se inegavelmente de um romance, e de um romance sobre um escritor, que coincide com a própria pessoa do autor. Por vezes aproxima-se do género memorial, outras do biográfico. Mas é uma biografia sui generis, muito colada aos gestos do quotidiano.

O livro está dividido em três partes, cada uma com um subtítulo que o aproxima da astronomia: nebulosa, galáxia e cosmos; cobrindo cada uma delas partes distintas da vida do biografado / romanceado:a infancia, a adolescência e a idade madura, e a velhice. Não há referências a nomes, nem da personagem principal (consecutivamente apelidado de ‘o velho’, ‘o rapaz’ e ‘o menino’) nem daqueles que com ele se cruzam, mas o autor dá pistas que de certo modo facilitam a identificação. O retrato é quase sempre impiedoso, dos outros, mas sobretudo do próprio.

Para além da excelência da escrita, o que mais me surpreendeu no livro é forma franca como expõe o seu autor, sabendo nós que se trata da personagem do romance. É certo que nem tudo o que vem no livro será um retrato da realidade tout court, e que o véu da ficção fantasia a realidade. Por outro lado não se trata propriamente de candura, pois esta exige como que uma espécie de inocência, que o livro nunca tem, e muito menos de ingenuidade.

Apesar de haver alguns trechos que são um pouco monótonos (sobretudo na última parte) e que não parecem levar a lado nenhum, não há dúvidas de que se trata de um grande livro, escrito por alguém que não tem medo de se confrontar consigo próprio, mas de, de certo modo, precisa desse confronto para dar sentido ao espantoso infinito que constituí o universo… ou o homem que o observa.

  • 1
Boa, boa, quero ler, quero ler!
E posso citar o 4º parágrafo no Dicionário?

sim, claro. mas corrige a frase: tem um erro de sintaxe no final :)

edit:
afinal não tem, está bem assim :)

Edited at 2015-11-06 09:00 am (UTC)

na fila :)
tenho o do prémio saramago para a troca. estás interessado?

conta com ele. quanto ao do BVA (suponho que seja esse) depois digo-te :)

  • 1
?

Log in

No account? Create an account