Previous Entry Share Next Entry
uccellacci e uccellini
rosas
innersmile
Tenho a ideia de já ter escrito, e posto aqui, sobre Uccellacci e Uccellini (em português Passarinhos e Passarões), um filme de Pier Paolo Pasolini, que vi uma destas semanas nas sessões ao ar livre do cineclube. Tenho quase a certeza de ter escrito o texto, mas provavelmente apaguei-o sem querer, pois não o encontro, nem aqui, nem nos sítios onde vou escrevendo.

O filme é de 1966 e isso nota-se, pois já não se fazem filmes assim, com forte consciência social e política, mas de vocação popular, poéticos e subversivos, perpassados por uma ironia que os torna simultaneamente implacáveis e frágeis. E que sejam capazes de misturar a poesia de Totò e um olhar languido sobre o corpo e a face de Ninetto Davoli (que ao tempo era amante de Pasolini, e com quem ainda rodaria quase todos os filmes do realizador), o misticismo bucólico e um grupo de rapazes a dançar música pop, engates a uma prostituta de rua (partilhada por pai e filho) e cenas reais do funeral de um militante comunista.

A ousadia de Pasolini, de resto, está desde logo expressa no genérico inicial: Domenico Modugno canta, com música de Ennio Morricone, o genérico inicial; e no facto do filme ser narrado por um corvo, politizado e tão sério, que enfada os personagens ao ponto de eles decidirem jantá-lo.
Tags:

  • 1
Quando vim para Lisboa estudar para a Faculdade de Ciências, que era então no antigo Colégio dos Nobres, na Rua da Escola Politécnica, ali entre o Rato e o Principe Real, a Cinemateca funcionava no Palácio Foz.
Eu era um jovenzito sedento de "cultura", daquela que só havia nas cidades grandes, e quando não tinha aulas passava as tardes a assistir aos filmes todos de todos os ciclos de cinema que a Cinemateca organizava no Palácio Foz. Lembro-me de ver Jean Luc Godard, Andy Warhol, Eisenstein e... Pasolini, e muitos outros certamente, dos quais já nem me recordo.
Hoje, ao ler o teu post e apreciar a tua "leitura" do Uccellacci, fiquei com vontade de revisitar estes filmes, ou se calhar, nem devo dizer revisitar, é mesmo ver de novo, porque os olhos que os viram nesse tempo já não são os mesmos que os veriam agora!

Lembro-me perfeitamente da cinemateca instalada no Palácio Foz, apesar de nunca a ter frequentado aí. Quando, mais tarde, passei um ano lectivo em Lx, então sim, fui muitas vezes à Cinemateca, mas já era na Rua Barata Salgueiro. Foi lá que vi os Warhol :)

Também vi muitos filmes do Pasolini nesses anos em que os cinemas passavam filmes que não eram made in Hollywood. Em Coimbra o Gil Vicente fazia as vezes da cinemateca.
Mas curiosamente não me lembro de ter visto este. Lembro-me bem dos filmes da chamada trilogia da vida, e, claro, do Saló, dos poucos filmes que, da primeira vez que o vi, me incomodou seriamente.

  • 1
?

Log in

No account? Create an account